Início
MEMÓRIAS DO LEGISLATIVO CUIABANO
02/02/2024
É preciso ter a consciência: os cuiabanos comemoram há muitos anos a Consciência Negra

No último dia 21 de dezembro o Presidente Lula sancionou o projeto de lei de iniciativa do Senador Randolfe Rodrigues, o qual propôs tornar feriado nacional o dia 20 de novembro, a fim de celebrar o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, sendo a data incluída no rol de feriados nacionais a partir de 2024.

Na cidade de Cuiabá celebramos a data desde 1992 e o feriado desde 2001. As propostas tornaram-se leis a partir da iniciativa de dois ex-vereadores do parlamento municipal cuiabano, os senhores Aurélio Augusto e Rinaldo Almeida, dois parlamentares envolvidos historicamente no movimento de defesa dos direitos da população negra.

Foi por iniciativa do ex-vereador Aurélio Augusto que os parlamentares aprovaram o projeto que criou, ainda no início da década de 1990, o dia e a semana da consciência negra (Lei nº 3.015/92), a ser celebrado no dia 20 de novembro. Já em 2000 essa data tornou-se um feriado municipal (Lei 3.991/00), desta vez pela iniciativa do ex-vereador Rinaldo Almeida, que concedeu entrevista para coluna Memórias do Legislativo Cuiabano.

Rinaldo Almeida nos contou que a ideia era replicar em Cuiabá a lei já existente na cidade do Rio de Janeiro. Como um participante do movimento negro na capital, Rinaldo desejava dar espaço para população negra de Cuiabá, dar abertura à sua história, de pessoas que com o seu trabalho e luta fazem parte da construção do país e ainda homenagear Zumbi dos Palmares, colocando o líder quilombola no panteão dos heróis brasileiros.

De acordo com o ex-vereador a proposta foi bem recebida pelos parlamentares e o projeto de lei contou com o voto favorável de todos, pois compreenderam a importância da lei para a cidade, tornando Cuiabá o segundo município brasileiro a tornar feriado o dia 20 de novembro. A recente notícia de que o Governo Federal institucionalizou a data como um feriado nacional traz para o ex-vereador uma grande satisfação, um sentimento de que inaugurou na Câmara Municipal de Cuiabá um movimento vitorioso, que ganhou força nessas duas últimas décadas. Até a aprovação da lei federal, 1.260 cidades e 6 estados, inclusive Mato Grosso, tinham a data como feriado. O Estado de Mato Grosso aliás, instituiu o seu feriado estadual dois anos depois, em 2002, inspirado no projeto aprovado na Câmara Municipal de Cuiabá.

Devemos nos perguntar o sentido desse dia, e mais ainda, desse feriado, agora como feriado de todos os brasileiros. Por que institucionalizar essa data como feriado? É porque é preciso ter a consciência, é preciso lembrar frequentemente que o Brasil foi cenário de um sistema escravocrata perverso que, a partir da pigmentação da pele, subjugava uma população a ser mercadoria de alguém que tivesse posses para comprá-la e mantê-la. Esse regime legalmente abolido em 1888 ainda ecoa no contexto social brasileiro na medida em que a maior parte da população negra é marginalizada. Ecoa de forma mais vergonhosa na mentalidade de alguns que acreditam que a cor da pele nos torna essencialmente mais diferentes do que iguais.

O dia 20 de novembro não é simplesmente um dia de fechar as portas do comércio e curtir uma folga. Tomemos como exemplo o Natal. Ele é um feriado, mas tem o seu simbolismo. Da mesma forma, o dia da Consciência Negra é feriado, e tem o seu simbolismo. É sim necessário um feriado para refletir sobre um assunto de extrema importância e o que devemos fazer pessoalmente e socialmente para corrigir as mazelas originadas desse passado.

Nos livros didáticos de História conhecemos a escravidão nas lavouras de cana de açúcar do Nordeste, na exploração aurífera em Minas Gerais e no cotidiano da capital do Império. Ledo engano acreditar que isso só faz parte de sociedades longínquas espacialmente e temporalmente. Cuiabá conheceu a escravidão e muitas famílias cuiabanas foram proprietárias de escravos. No jornal cuiabano A Tribuna, em setembro de 1869, o Capitão Virissimo Xavier Castello convidava os interessados a participarem da arrematação do Matheus, do Paulo e do Francisco, homens de meia idade, as mercadorias do finado Antônio José de Siqueira e Cruz, que estavam disponíveis para serem comprados, incorporados ao patrimônio do arrematador, da mesma forma que o seu sítio, em Chapada dos Guimarães.

Desejo que no feriado de 20 de novembro possamos considerar a simbologia desse dia e procurar ter a consciência e fazer a nossa parte para corrigir os efeitos dessa mancha histórica denominada escravidão e elevaras pessoas que foram escravizadas à posição de pessoas importantes no processo de construção da nação brasileira. 

Danilo Monlevade - Analista Legislativo

Fontes:

Arquivo Geral da Câmara Municipal de Cuiabá

Jornal A Situação, 12 de setembro de 1869.

Entrevista com o Sr. Rinaldo Almeida, em 24/01/2024



Imprimir Voltar Compartilhar:  




+ Notícias
23/02 - A criação da Câmara Municipal de Cuiabá (I): Os achados auríferos e a necessidade de instalação do poder Real nas minas do Cuiabá
20/12 - O hino de Cuiabá: a oficialização da sua canção
01/12 - Bairro do Baú: da tradição à legalidade
14/11 - Proclamação da República: em 1889 os vereadores cuiabanos fizeram votos de apoio ao regime vigente no Brasil a mais de cem anos
06/09 - O bicentenário da Independência do Brasil: registros da Câmara de Cuiabá relatam o entusiasmo da população cuiabana com a chegada da notícia
10/08 - Nosso Palácio completa 50 anos de história
22/07 - A renúncia de Jânio Quadros e a sua sucessão foram temas de debates no Parlamento Cuiabano
01/07 - O Papa e Santo João Paulo II recebeu título de Cidadão Cuiabano em 1991
03/06 - “A gente quer inteiro e não pela metade”: Câmara Municipal de Cuiabá sediou as discussões acerca do direito ao passe livre estudantil
06/05 - “Pela virtude mais que pelo ouro”: Dom Aquino Correia preside sessão solene em sua homenagem no ano de 1951 na Câmara Municipal de Cuiabá
18/04 - Avenida Historiador Rubens de Mendonça: Câmara Municipal de Cuiabá aprova sua denominação em 1983
25/03 - O Senador Biônico em debate na Câmara de Cuiabá: a nomeação do senador Gastão Müller provoca homenagens e oposições em 1978
03/03 - Herói de guerra cuiabano foi homenageado pelos vereadores em 1948
SESSÃO AO VIVO
INFORMES
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT - CEP 78020-010 - Fone: (65) 3617-1500
Desenvolvimento: Secretaria de Comunicação - Todos os direitos reservados © 2018
O horário de atendimento ao público é de segunda a sexta-feira das 7:30hs às 13:30hs.